quarta-feira, 9 de novembro de 2011

É possível compreender Deus?

       Deus... oh Deus.. ser dos "Unis"! Tenho ouvido durante muito tempo sobre como seria Deus ou como ele criou a terra e a humanidade. Sei que essas perguntas têm seu valor mas já se perguntou porque tentamos entender Deus? Eu já e percebi a  seguinte situação: Como toda criatura, procuramos pontos intersessivos entre nós e o criador. Desdos primórdios já fazíamos isso, afirmando que somos sua imagem e semelhança, assim como nos dias de hoje, mas o que se entende por "imagem" e "semelhança"? seria Deus então um velho barbudinho com um cajado na mão, como o da foto a cima? ou seria Deus uma figura abstrata, afigurando-se a natureza em si, como o universo e o infinito? Existem inumeras versões dessas crenças e não sou o primeiro privilegiado a ter uma conclusão própria a respeito do assunto, então explanarei minha percepção de Deus sobre essa ótica.

Se Deus nos criou, logo, temos uma "genética" divina, uma parte nossa onde também somos Deuses em escala menor,  mas o nível consciêncial que nos encontramos atualmente não reconhece essa parte divina, então o que fica bem sobressalente é o nosso lado mais inferior, mais humano. A busca utópica sobre a identidade de Deus nunca será alcançada nesse nível humano, porque como humanos a inferioridade moral e intelectual sucumbe nossos dotes "divinos", como humanos não temos as ferramentas necessárias para entender Deus em sua plenitude. Assim como a Astrônomia usa o telescopio e a Microbiologia o microscópio, nós, humanos, deveríamos ter a ferramente certa para entender Deus , mas ainda não temos as faculdades necessárias para compreendê-lo plenamente, como entendê-lo então? Não há como! mas podemos tentar alcançar uma percepção próxima sobre o  que nos seja possível segundo as nossas limitações.

Podemos filosofar, usar a lógia e a razão para atingí-lo mais próximamente, logo, acredito que expandindo nossas consciências através da intuição, pela meditação, podemos "entender" Deus o mais próximo de sua verdadeira natureza, não há como provar sua existência, a não ser pela faculdade da intuição... Vou explicar: É como "teorizar sobre tomar banho de rio", você pode fazer um simpósio sobre "tomar banho de rio" mas nunca saberá o que é "tomar banho de rio" se você nunca o experimentou, a vivência de algo é  uma das maneiras mais seguras, mesmo que só pra você, de provar a existência de qualquer coisa, então como eu havia dito, a intuição é a ferramente atual na qual podemos limitadamente compreender o Criador.

Como somos parte da imanência divina, acredito que a evolução  se dá bem pouco pela parte física da vida mas principlamente pela parte consciêncial, quando expandimos nossa consciência conseguimos atingir estágios de compreensão mais ampliados, então quanto mais conhecimento sobre nós mesmos e o mundo que nos cerca, mais enxergamos além do TODO e o final dessa caminhada consciêncial evolutiva é Deus - Deus como essência criadora. Chegando lá teremos responsabilidades de co-criadores, nos tornando "sub-deuses" ou  "colaboradores" nos desígnos de Deus, uma caminhada longa e trabalhosa, mas que obrigatóriamente todos, sem exceção terão de atingir um dia, uns mais cedo outros mais tarde. Uma prova que é impossível involuir e que a evolução é uma estrada inevitável é que por mais que erremos sempre aprendemos com o erro e memo que cometamos os mesmo erros, já ficamos cientes que é errado se o repetimos e isso não é involir mais sim enstagnação, de tanto dar "murro em ponta de faca" acabamos perdendo a mão e sentimo a dor, através dessa dor aprendemos uma lição que jamais nos esqueceremos: "Que a dor é o "supletivo" do "repetente" nos erros". Fica então o meu ponto de vista sobre o assunto, que a única maneira de entender Deus é pela intuição, mas que só traz conclusões pra si mesmo, já na evolução da consciência, só a conquistamos pelo autoconhecimento e o conhecimento do todo que nos cerca, essa experiência nos arrastará para as proximidades do Criador, nos fazendo reconher os Deuses que somos, mais que ainda não está disperto.

Então que a imanência divina que há em cada um de nós se manifeste cada vez mais planemente, porque afinal de contas, Deus e nós, apersar de não nos sentirmos ainda assim, somos uno na origem.
                                                                                                                                                                                                                                     Punga

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Bela inciativa VAMOS COLOCAR O POVO PARA PENSAR !!!

    ResponderExcluir